Selo EPD (Declaração Ambiental de Produto): qual a sua importância?

As questões relacionadas à proteção ambiental mobilizam nossa sociedade e os dirigentes dos países na busca de soluções que possibilitem uma economia mais sustentável, menos agressiva ao meio ambiente e à vida — seja ela representada pela humanidade, pela flora ou pela fauna.

No ramo imobiliário, a situação é a mesma. A construção civil sempre foi criticada por causar impactos ao meio ambiente durante uma obra ou reforma residencial. Um dos principais problemas apontados é a geração de resíduos, que provêm, em grande parte, dos desperdícios.

Para reduzir os impactos ambientais e garantir a efetivação de obras sustentáveis, algumas diretrizes e selos foram criados. Dessa forma, as empresas envolvidas em projetos imobiliários podem se qualificar e confirmar que estão praticando a sustentabilidade em seu trabalho. Um desses selos é o EPD (Declaração Ambiental de Produto). 

Vamos saber mais sobre esse rótulo? Continue a leitura!

O que é o EPD?

Environmental Product Declarations (EPD) é uma sigla que, em português, significa Declaração Ambiental de Produto (DAP). Trata-se de um rótulo que determina o perfil ambiental do produto. Para definir esse perfil é feita uma análise baseada na Avaliação do Ciclo de Vida (ACV).

Vale ressaltar que este selo é um rótulo do tipo III e segue os parâmetros das normas NBR ISO nº 14020/2002 e ISO nº 14025/2015. Sobre o ciclo de vida, ele segue as normas NBR ISO nº 14040/2014 e ISO nº 14044/2014 (versões corrigidas das anteriores de 2009).

Além disso, para a construção civil, há ainda outra norma a considerar: ISO nº 21930/2017, que assegura a sustentabilidade em edifícios e obras de engenharia.

Num âmbito geral, o EPD define critérios conforme:

  • cada categoria de produtos;
  • estudos nacionais e internacionais;
  • leis do Brasil e de outros países;
  • normas brasileiras, como a NBR ISO nº 14024/2004, e internacionais;
  • consulta com especialistas;
  • simulações.

Dessa forma, caso existam declarações ambientais suficientes na categoria de determinado produto, elas serão aplicadas.

Como funciona a rotulagem tipo III?

No Brasil, há dois sistemas de rotulagem tipo III. O RGMat é um tipo exclusivo do setor de construção civil, sendo conferido apenas pela Fundação Vanzolini. O outro é o Programa de Rotulagem DAP do Inmetro. Veja exemplos de EPDs que a Fundação Vanzolini oferece: 

  • rodapé de poliestireno reciclado;
  • pastilhas de vidro reciclado.

Internacionalmente, o The International EPD System é o programa mais famoso. Há pouco tempo, ele publicou três DAPs relacionadas à indústria de cimento: 

  • cimento;
  • argamassa;
  • concreto.

Quais informações devem constar na EPD?

Para facilitar a compreensão, podemos comparar as informações registradas na EPD com as informações inscritas em tabelas nutricionais nas embalagens dos alimentos. A declaração classifica o produto, de forma ambiental, analisando diferentes indicadores, como as mudanças climáticas.

O objetivo de uma DAP é o fornecimento de informações importantes do ponto de vista ambiental que foram confirmadas. Ela deve oferecer uma base consistente para comparar, de forma justa e equilibrada, o desempenho ambiental de muitos produtos.

A Declaração Ambiental de Produto reflete a constante melhoria dos produtos no transcorrer do tempo — sendo possível somar as informações de diferentes DAPs sobre um mesmo produto.

Qual a EPD mais importante do país?

O RGMat é uma das certificações mais respeitadas quando falamos em material de obras sustentáveis. Ele é um selo verde que oferece informações valiosas, verificadas e comparáveis em relação a características ambientais, que envolvem conforto e saúde.

É um certificado relevante, não apenas para os que fabricam o produto, mas também para que os lojistas possam identificar os itens mais sustentáveis e os gestores decidir pelas aquisições ambientalmente mais corretas.

A base legal usada para a concessão do selo EPD pela Fundação Vanzolini é a tríade: 

  • conformidade técnica;
  • desempenho ambiental; 
  • conforto e saúde.

As principais características deste selo são:

Praticidade

O RGMat se fundamenta no uso de métodos relevantes e é aceito, em todo o mundo, para avaliar o ciclo de vida (ACV). Essa exigência permite identificar e dar atenção às características mais valiosas no meio ambiente que, com uma visão holística, promove a constante melhoria do produto.

Comparabilidade

Este sistema também possibilita a comparação de produtos a partir das regras de categoria do produto (PCR). Estas regras determinam normas específicas para cada tipo de mercadoria, o que harmoniza a avaliação do ciclo de vida, coleta de dados, metodologia, cálculos e exibição de resultados.

Credibilidade

Também existe a exigência em relação à revisão crítica, aprovação e acompanhamento por um verificador independente. 

O que são PCRs?

PCR é a sigla para Product Category Rules, ou Regras da Categoria do Produto. É um conceito muito importante para a Declaração Ambiental de Produto.

Como já vimos, a DAP deve, obrigatoriamente, cumprir com pré-requisitos rígidos, bem definidos e metodológicos. As regras da categoria do produto são consideradas como complementares às condições geralmente exigidas pelos programas de DAP.

Como os grupos de produtos se diferenciam em desempenho ambiental inerente, são requeridas determinadas normas para eles, pois cada um tem suas próprias peculiaridades. O conjunto dessas regras é representado pelas normas ISO 21930 e ISO 14025.

Como obter a declaração no Brasil?

Para receber a Declaração Ambiental de Produto, as empresas devem seguir algumas etapas, sendo elas: 

  • avaliação dos documentos;
  • auditoria;
  • análise final realizada por um revisor técnico, como a empresa RINA Brasil;
  • emissão da DPA com validade de três anos.

O RINA Brasil é uma empresa que pode validar a declaração e sua função é intervir como verificador independente.

Podemos citar, dos produtos que estão aptos a receber o selo: concreto, tijolos, ferragens e até determinados tipos de acabamentos.

Quais as vantagens de obter uma DPA?

A Declaração Ambiental de Produto requer uma Avaliação do Ciclo de Vida, um documento que fornece detalhes sobre os processos que formam a cadeia de suprimentos e valor. O detalhismo da ACV permite que a empresa tenha acesso a informações relevantes sobre as etapas em que podem acontecer o desperdício de matéria-prima e a ineficiência energética.

Essa análise pode oferecer alternativas para reduzir os gastos operacionais, refletindo em preços de mercado mais vantajosos. Obter um selo ambiental já é um fator relevante que, por si só, contribui para melhorar o nível de competitividade, pois comprova que a empresa se preocupa em externalizar sua responsabilidade ambiental.

A certificação habilita que a organização entre em novos mercados, concorra em editais de compras públicas sustentáveis e estimule os consumidores a selecionar os produtos que causam menos impactos, induzindo a otimização constante dos processos.

Além disso, o uso de materiais com suas próprias DPAs permite que as empresas de construção obtenham pontuações adicionais no sistema de certificação do Leadership in Energy and Environmental Design (LEED), levando em conta a categoria “Materiais e Recursos”.

Resumindo as vantagens em obter um selo como este, temos: 

  • comparações dentro do mesmo padrão;
  • fácil acesso às informações verificadas;
  • padronização internacional, o que confirma que a informação fornecida está em conformidade com os requisitos que foram acordados entre diferentes países — NBR ISO 14024, ISO 14025 e ISO 21930, por exemplo;
  • mais segurança para compras;
  • confiança maior na tomada de decisões com base em fatos na hora de comparar o desempenho ambiental de serviços e produtos;
  • demonstração de transparência e respeito com os consumidores;
  • maior facilidade para orientar os clientes.

Como a EPD ajuda a evitar o greenwashing?

Greenwashing é um termo inglês que, em português, pode ser traduzido como “lavagem verde” ou “pintando de verde”. Trata-se de uma estratégia não recomendada para as empresas que desejam adotar de forma efetiva a sustentabilidade.

Quando adotada, as empresas fazem discursos, ações, anúncios, documentações e campanhas publicitárias sobre como agir de forma ecologicamente correta. Dessa forma, elas conseguem associar sua imagem às práticas sustentáveis, à defesa do meio ambiente e a conceitos como eco-friendly (amigo do ambiente) e green (verde).

Mas, na verdade, elas não aplicam medidas efetivas para solucionar problemas ambientais. Pelo contrário, muitas das suas ações resultam em impactos negativos sobre o meio ambiente. Dessa forma, o greenwashing é um tipo de propaganda enganosa, já que a empresa passa uma imagem diferente daquilo que ela realmente é e faz.

A certificação EPD não é fornecida a essas empresas. Como já falamos, para receber o selo, a organização deve passar por algumas etapas, inclusive a avaliação técnica por um verificador independente.

Para não serem enganados por essa estratégia, os clientes podem verificar os selos e certificações concedidos à empresa. Além disso, convém consultar o site da organização certificadora e confirmar que aquela empresa realmente detém o certificado. Isso porque, existem marcas que utilizam os selos de maneira ilegal.

De modo geral, a EPD (Declaração Ambiental de Produto) é um importante documento que certifica a empresa ambientalmente perante o mercado, confirmando que ela usa materiais sustentáveis. No relacionamento com fornecedores e clientes, é importante dar preferência às marcas que apresentarem este selo, demonstrando a confiabilidade dos materiais. 

Gostou deste conteúdo? Siga nossas redes sociais e compartilhe este artigo com seus amigos! Estamos no Pinterest, Facebook, Instagram, Youtube, Twitter e LinkedIn.

12/10/2020

    SUSTENTABILIDADE POR PRINCÍPIO

  • Santa Luzia - Green Building Council
  • Santa Luzia - Green Building Council Brasil
  • Santa Luzia - RGMat